sábado, setembro 06, 2008

rio de janeiro, seis de setembro de dois mil e oito

Querido,

Faz tempo que não nos falamos e escrever-te parece-me um tanto estranho
Peço perdão pela crise de vírgulas, a culpa cai toda sobre a empolgação.
Conforme o in-esperado, não formei-me em letras, não, sinto muito. O uso excessivo de vírgulas nesse caso deve-se à querer contar-te da notícia gradativamente, utilizando as pausas como recurso estilístico para não desapontar-te tanto.
Por favor, uma pausa. silencio absoluto. É difícil............................... e não acho que a formação tornaria isto mais fácil para mim.
Por muito não termino por aqui, como as cartas que escrevi e não enviei, como as mensagens no espelho, desenhos à ketchup no prato, rabiscos no braço (...) tudo que cogitei fazer mas não

Estou bem, a astrologia concorda.
Cada vez mais paro por bares e visito médicos-do-fígado, dos quais não sei o nome mais propício.



Vire ->


p.s: verifique o travesseiro

2 comentários:

Ana disse...

ADOREI!

Srta. Clichê! disse...

Gritante capacidade de usar bem as palavras!
Me gusta!

*-*

Marcadores

adeus (1) agonia (1) budapeste (1) cabelo (1) chuva (1) closer (1) domingo (1) filmes (1) fim de tarde (1) flor (1) férias (1) leitura (1) liverpool (1) londres (1) maldade (1) música (1) pintura (1) postcards (1) presente (1) recados (1) rouquidão (1) sopro (1) sorriso (1) sábado (1) telefone (1) timbre (1) tinta (1) visão (1) voz (1)