domingo, fevereiro 07, 2010

Boys are not like my hair


Acorda de um jeito, termina de outro. Os dois
Sobre o sol brilham, junto ao vento nos confundem em meio aquele cheiro que se camufla com do nosso corpo.
Nossos dedos se perdem a cada fio,a cada ondulação que é descoberta e não se diz mais intocada.
Completam a idéia da beleza feminina, é quase feio não querer pelo melhor.
Se rebelde, uma mão suave descendo da raiz até a ponta há de adaptar.
São as adaptações que diferenciam.
É cortar quando estão grandes de mais, é mudar de cor quantas vezes for, só por mudar, para variar.
É enrolar num coque em questão de segundos quando nos sufocam e nos passam a sensação de calor insuportável, usando só um pouquinho da habilidade feminina.
É jogar pro lado num leve balançar de pescoço, num jeito delicado, e não desmoralizante. Mostrando mais o nosso próprio rosto. Nossas impressões à mostra.
Meu cabelo não sente ser cortado, arrancado vorazmente pela minha mão ou de outro (menino).
Às vezes eu afogo meu cabelo, sem dó. Me afogo junto, sem dó.
E, mais ainda, a diferença é que às vezes, os meninos não crescem.

3 comentários:

Beto disse...

rsrsrsrsrs pq as meninas adoram falar mal dos meninos????

Daniel Toyoshima disse...

Bela analogia!

Luiza disse...

Belo texto, que shampoo vc usou?

Marcadores

adeus (1) agonia (1) budapeste (1) cabelo (1) chuva (1) closer (1) domingo (1) filmes (1) fim de tarde (1) flor (1) férias (1) leitura (1) liverpool (1) londres (1) maldade (1) música (1) pintura (1) postcards (1) presente (1) recados (1) rouquidão (1) sopro (1) sorriso (1) sábado (1) telefone (1) timbre (1) tinta (1) visão (1) voz (1)