sexta-feira, dezembro 19, 2008

Você tem: zero mensagens

Foi vigoroso demais ligar e esperar cair na secretária eletrônica.
Talvez tivesse feito esforço para discar - sem querer querendo- os números errados. Talvez também, eu, por um segundo quisesse não achar o telefone.
Depois de tudo, não ouse querer um recado após o bip.
Um recado?
Como poderia... um recado?

Não trate meus dizeres como um lembrete para colar na geladeira, como uma música que se acaba pelo terceiro minuto e meio, uma carta frente e verso.
Encara-me como alguém que te liga sem esperanças de que atenda, porque acredita que a ausência deve-se à certeza de que estás à caminho da minha porta.

3 comentários:

Luiza. disse...

" Vou te escrever uma carta e não mandar" (Caio Fernando Abreu).

Tamires Agostinho disse...

talvez eu mande.
uma não, várias

Bárbara disse...

Porque suas músicas sempre acabam no terceiro minuto e meio? Elas tem essa duração ou você não consegue escutar por algum motivo? Han, han?

Vou te linkar, finalmente lembrei teu blog, e pior que eu já tinha comentado uma vez eu acho, aliás, é um bom título de blog. Gosteeeei.

Marcadores

adeus (1) agonia (1) budapeste (1) cabelo (1) chuva (1) closer (1) domingo (1) filmes (1) fim de tarde (1) flor (1) férias (1) leitura (1) liverpool (1) londres (1) maldade (1) música (1) pintura (1) postcards (1) presente (1) recados (1) rouquidão (1) sopro (1) sorriso (1) sábado (1) telefone (1) timbre (1) tinta (1) visão (1) voz (1)